Quase um furacão

Matérias - fevereiro de 2019

A temporada de sol forte muitas praias e um janeiro com temperaturas com 40 graus para cima , na média, cobrou seu preço. Uma temporal com características de tempestade arrasou a região nessa madruga e o dia de hoje, quinta- foi de varrer calçadas e calcular os prejuízos. Andando pelas ruas do Recreio o cenário é de tragédia. Árvores foram arrancadas , muitas caíram , levando junto parte da calçada, painéis de publicidade voaram, junto com eles as lonas, ruas alagadas e vias fechadas. Encontramos um caminhão do Corpo de Bombeiros tentando desobstruir a Jorge Yunes que ficou com a via fechada por causa de queda de árvore, situação parecida na Haroldo de Cavalcanti e Via 9 , na Balthazar da Silveira quase chegando na padaria Rei do Recreio. Ali ninguém ficou ferido mas centenária árvore impede o tráfego de veículos. ,

No Parque Marapendi, a vegetação que margeia a grade ao lado da ciclovia caiu, danificou as grades e está em cima da via .

 Barra Bali  Baltahazar Silveira Via 9Haroldo Cavalcanti

Os meteorologistas explicam que as chuvas não devem atingir o Rio nesta quinta-feira 07.02 com a intensidade registrada na noite de ontem, quando o município ficou mergulhado no caos. Para amanhã também há previsão de chuvas, só que mais isoladas.  segundo os especialistas o forte calor que vinha assolando a região e com a entrada da massa polar estacionou no maciço  e daí os registros das pancadas foram registradas aqui na região e São Conrado e Barrinha. 

Especialistas dizem que o aguaceiro visto na noite de quarta e começo da madrugada de hoje é explicado por uma conjunção de fatores: o avanço de grandes áreas de instabilidades vindas de São Paulo; de fortes correntes de vento em médios e grandes níveis da atmosfera; a presença de um sistema de baixa pressão no mar; e, ainda, a elevada temperatura da água do mar neste momento.

Busca



Publicidade